Metas do ano: dicas para definir e conseguir cumprir

Início de ano é um período de novas perspectivas. De pensar no que não vem dando certo e tentar melhorar. De manter o time que está ganhando, talvez. De prometer a si mesmo que vai mudar completamente em um ou vários aspectos. Mudança de calendário causa esse efeito na gente mesmo.

Em geral, existem dois tipos de pessoa neste período: os adeptos da filosofia “deixa a vida me levar”, que nem param para estruturar algum tipo de objetivo; e os que se atribuem metas demais, abandonando-as em seguida por serem muito difíceis. Ambos os cenários são bem negativos.

Como disse o Gato Risonho para Alice, “Se você não sabe para onde ir, qualquer caminho serve”[1]. Mas será que é dessa maneira que queremos conduzir nossas vidas? Para te ajudar a criar metas de uma forma viável de se cumprir, separamos as seguintes dicas.

1 – Difícil, mas não impossível

Começar a malhar em janeiro e ficar forte até o carnaval? Aprender um novo idioma em 6 meses? Passar em um concurso estudando 1 hora por semana? Aqui é onde a maioria falha: estipular metas que beiram ou até ultrapassam o limite do possível. Precisamos ser honestos nesse momento. A grande pergunta a se fazer é: o que consigo fazer dentro da minha realidade?

Objetivos com certo nível de dificuldade nos motivam a melhorar de alguma forma, mas se forem inviáveis vão acabar gerando uma sobrecarga de ansiedade e/ou frustração. Comece escrevendo todas as metas que vierem à sua mente e depois vá adaptando ou eliminando algumas até que você tenha à sua frente um caminho com obstáculos transponíveis.

2 – Dividir em partes

Imagine que uma das suas metas seja escrever uma monografia. Isso não é algo que se faça da noite para o dia, correto? Você precisa fazer uma pesquisa para definir o tema, elaborar o projeto, aumentar a revisão bibliográfica, fazer a pesquisa, analisar os resultados, dar as conclusões, escrever o resumo… enfim, encurtei as etapas para não desmotivar os formandos.

O ponto é: separar uma meta macro em outras menores facilita muito para acompanhar o andamento, além de ser muito mais motivante ir cortando pendências ao longo do tempo. Os mais organizados podem estabelecer um cronograma para cada tarefa, mas isso não funciona tão bem para todos. Faça da maneira que for mais proveitosa para você.

3 – Saber priorizar

Depois de listar todos os objetivos que você quiser, conforme mencionado no item 1, existe outro filtro essencial a se fazer: “Quais destes são realmente importantes para mim?” Se a prioridade de uma meta for baixa para você, nem perca tempo com ela. Foque seu tempo e sua energia no que pode te gerar os resultados mais valiosos.

Neste momento, não caia na bobeira de ignorar sua vida social! Momentos com a família, namorado(a), cônjuge e amigos são vitais para nosso bem-estar, e dedicar tempo a eles pode estar no topo das prioridades sim.

Desprezar os momentos de lazer também é um erro. No entanto, podemos chegar à conclusão de que ele está tomando bastante tempo. Se for o caso, será necessário tomar decisões: reduzir o número de séries ou de horas jogando videogame, por exemplo. Cortar por completo pode ser contraproducente porque relaxar faz parte de uma rotina saudável. O ideal é buscar equilíbrio.


[1] Refêrencia à obra “Alice no País das Maravilhas”, de Lewis Carroll

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.